Arte modernista no Palácio Boa Vista de Campos de Jordão

Mais de 60 mil pessoas visitaram-  neste semestre – o Palácio Boa Vista de Campos de Jordão onde acontece exposição que exibe parte da coleção de obra de arte modernista do governo do Estado de São Paulo.  Esculturas e pinturas, de artista como   Alfredo Volpi, Aldo Bonadei, Vicente do Rego Monteiro, Emiliano Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, José Pancetti, Anita Malfatti, Cícero Dias, Francisco Rebolo, Victor Brecheret, entre outros, estarão expostas acompanhadas de mobiliário colonial brasileiro.

Reprodução de quadros do acervo do Palácio dos Bandeirantes. "Retrato de Lalive" de Anita Malfatti.  São Paulo, São Paulo, Brasil, março, 13, 2012. RAFAEL LASCI/GOVERNO DO ESTADO DE SP
Reprodução de quadros do acervo do Palácio dos Bandeirantes. “Retrato de Lalive” de Anita Malfatti. São Paulo, São Paulo, Brasil, março, 13, 2012. RAFAEL LASCI/GOVERNO DO ESTADO DE SP

A Mostra se desenvolve em um percurso cronológico nos primeiros ambientes de visitação. Assim, o visitante pode ter uma compreensão dos distintos momentos do modernismo brasileiro por meio da diversidade das obras da coleção de arte do Acervo dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo. No Espaço, uma das pinturas símbolo de São Paulo, “Operários” de Tarsila do Amaral, brilha juntamente com a obra de Victor Brecheret – “Daisy” – e de Anita Malfatti,” Retrato de Lalive” e de outros artistas modernistas.

A Curadora do Acervo dos Palácios e da exposição Ana Cristina Carvalho, destaca que não faltam pesquisas, teses, publicações e ideias a respeito das manifestações que ocorreram na cidade de São Paulo, no Theatro Municipal, durante a Semana de Arte Moderna, em fevereiro de 1922. “Ao logo de mais de 90 anos, esse mito tem sido permanentemente vasculhado, decodificado, reconhecido e, eventualmente, desvalorizado em relação à sua importância, por meio de diversos pontos de vista e perspectiva”, finaliza a Curadora Ana Cristina

PALACIO BOA VISTA DE CAMPOS DO JORDÃO

Com mais de 50 anos de história foi idealizado pelo então governador interventor Adhemar de Barros, o palácio foi inaugurado em 1964 com a finalidade de ser residência de inverno do Governo do Estado de São Paulo. Mas, desde cedo o destino lhe reservava outro futuro.

14055_xxac_desc_frSeis anos depois, já na gestão de Abreu Sodré (1964-1969), o Palácio Boa Vista cumpriu seu papel social ao tornar-se, em 1970, ‘Monumento de Visitação Pública’. A partir dessa data, foi reunido pela equipe de especialistas em arte, sob a coordenação de Luís Arrobas Martins, então Secretário da Fazenda, um dos mais importantes acervos de arte moderna brasileira, além de mobiliário Vista do pátio interno do Palácio Boa Vista – Campos do Jordão / SP (1978) histórico, arte sacra e arte decorativa, para constituir o primeiro acervo museológico desse palácio. Nesse mesmo ano, o palácio ainda sediou a primeira edição do Festival de Inverno de Campos do Jordão, destinado à divulgação da música clássica e erudita produzida e realizada no Brasil.

Menos de uma década depois, para além da função residencial, o Palácio Boa Vista tornou-se um museu, projetava um festival anual de música clássica de relevância nacional, além de se tornar um importante ponto de turismo cultural do estado de São Paulo e do Brasil.

Serviço
Horário: de quarta-feira a domingo e feriados, das 10h às 12h e das 14h às 17h
Local: Palácio Boa Vista – Avenida Adhemar de Barros, 3.001 – Campos do Jordão/SP
Entrada gratuita
Informações: (11) 2193-8282 ou monitoria@sp.gov.br
Grupos acima de 10 pessoas: de quarta a sexta, às 9h, 11h e 14h
Agendamento em 
www.acervo.sp.gov.br

por Maurício Coutinho – Revista Paulista