Àlvaro Cézar Galvão: Enogastronomia – 22.05.16

SUCESSO NA REDE RUBAIYAT, A FEIJOADA, VOLTA COM
FORÇA A SER SERVIDA TAMBÉM ÀS QUARTAS-FEIRAS NO ALMOÇO

Meninas e meninos,
Uma das feijoadas mais completas e tradicionais de São Paulo, é a que a rede de casas Rubaiyat serve em sistema de bufê.

alvNormalmente durante os meses mais quentes do ano, esta tradicional gastronomia brasileira, uma das mais conhecidas mundo à fora, deixa de ser servida as quartas-feiras, um dos  dois dias que a tradição reza para esta iguaria. Mas eis que a santa feijoada das quartas está de volta ao bufê do Rubaiyat, pois as temperaturas de um Outono, tardio este ano, estão começando a indicar mudanças mais apropriadas à caloria tão desejada  desta que em muitas ocasiões foi o prato símbolo do Brasil.

alv2O tradicional bufê, que traz o Baby Pork produzidos na Fazenda Rubaiyat, em Mato Grosso do Sul, e mais de 24 tipos de acompanhamentos, tais como a carne seca desfiada com abóbora, couve frita em azeite com bacon e alho, bisteca de porco grelhada, farofa, torresmo, banana à milanesa e mandioca, faz parte da opção do “Menu Amável” às quartas, que inclui o couvert e a sobremesa do dia ao preço de R$ 76,00.

A feijoada do almoço de sábado em nada muda, continua a ser uma das opções mais pedidas, porém é mais ampla, por assim dizer pois neste dia, além do couvert, o bufê oferece saladas, batidas variadas, uma cerveja e uma caipirinha de cachaça ou vodka brasileira por pessoa.

Raposeira espumante tintoO cliente também pode se servir à vontade do bufê de sobremesas, com doces variados e frutas da época, aos preços de R$ 122,00 no Rubaiyat, e  R$ 143,00 no Figueira Rubaiyat, detalhe: crianças até 5 anos não pagam e de 6 a 12 anos, metade dos valores.

Em minha visita à unidade da Al. Santos, aproveitei para testar algumas harmonizações, com os vinhos da carta, um Rosado, um Tinto e um espumante tinto.

Não foi surpresa para mim que o espumante Raposeira Tinto Brut da região de Lamego  foi o melhor acompanhamento, lembrando que para a harmonização temos que ter o bocado levando em conta todos os elementos do prato.

Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Barroca, método tradicional, aromas frutados maduros, taninoso, fresco, equilibrado, fazendo ótimo contraponto com sua acidez para as carnes mais gordurosas.

Recomendo a experiência!

O tinto Meio Queijo, um Douro não fez feio e o rosado Cipresseto da Toscana com 85% Sangiovese e 15%  de outras variedade, foi o que melhor se portou em segundo lugar.

RUBAIYAT
Al. Santos, 86 – Paraíso – 3170-5100
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2954 – Itaim Bibi – 3165-8888

A FIGUEIRA RUBAIYAT
R. Haddock Lobo, 1738 – Jardim Paulista – 3087-1399
http://www.rubaiyat.com.br

Até o próximo brinde!


Álvaro-Cézar-Galvão 1Álvaro Cézar Galvão
“O ENGENHEIRO QUE VIROU VINHO”

Colunista da Revista Paulista – www.revistapaulista.com.br
www.facebook.com/DivinoguiaOEngenheiroQueVirouVinho
www.divinoguia.com.br
www.instagram.com/divinoguia
cezargalvao@uol.com.br


 

 

Deixe uma resposta