Projetos de proteção do meio ambiente em São Paulo receberão apoio de R$ 656 mil

No mês de agosto, a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza apoiará financeiramente 17 novos projetos de conservação da natureza em todo o Brasil – que foram selecionados por meio de editais públicos lançados no início de 2017. 

No total, serão doados R$ 2,3 milhões para iniciativas a serem realizadas em todos os biomas brasileiros e nos ecossistemas costeiro e marinho. No estado de São Paulo são três os projetos que receberão apoio financeiro e que, juntos, somam R$ 656 mil.

O projeto do Instituto Manacá, “Conservação de mamíferos ameaçados de extinção no corredor de biodiversidade da Serra do Mar: Integrando ecologia, dimensões humanas e planejamento” envolve diferentes atores em prol da conservação de oito mamíferos ameaçados (como onça, anta e cateto) na região da Serra do Mar – que representa o maior contínuo florestal do Bioma Mata Atlântica.

Realizada em São Paulo e no Paraná, a proposta multidisciplinar também integra ecologia aplicada, dimensões humanas e planejamento para conservação, visando a continuidade e ampliação do projeto já iniciado com o apoio da Fundação Grupo Boticário em 2014.

Também com ações em São Paulo, o programa “Papagaios do Brasil: Integração e articulação das ações do PAN Papagaios” tem o propósito de proteger cinco espécies de papagaios, a partir do combate a suas principais ameaças, como o comércio ilegal dessas aves e a destruição de hábitat – ações essas previstas no Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação dos Papagaios da Mata Atlântica.

O programa articula esforços de instituições que atuam há duas décadas na conservação de papagaios, como a paranaense Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), a mato-grossense Fundação Neotrópica e a gaúcha Associação Amigos do Meio Ambiente, além do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE) que é uma unidade descentralizada do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Além de São Paulo, a iniciativa é realizada no Distrito Federal e nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, onde as espécies estudadas ocorrem.

Nos litorais paulista, fluminense, capixaba, catarinense e gaúcho, a iniciativa da ONG KAOSA, “Conectividade populacional de uma espécie ameaçada de Garoupa (Epinephelus marginatus) ao longo de sua distribuição na costa brasileira”, visa avaliar o padrão de conectividade da garoupa-verdadeira ao longo de sua distribuição na costa brasileira, por meio de marcadores genéticos.  A espécie-alvo é um peixe marinho de grande porte, com lenta taxa de crescimento e de complexo ciclo reprodutivo, que tem sido fortemente explorada pela pesca, sendo mundialmente classificada como ‘Em Perigo’ de extinção e nacionalmente como ‘Vulnerável’.

No âmbito social, o projeto prevê ações de educomunicação visando conscientizar estudantes e formadores de opinião sobre a importância da conservação da garoupa-verdadeira e dos ecossistemas marinhos.

Inscrições para novos projetos estão abertas

A Fundação Grupo Boticário está com o edital aberto para apoiar novos projetos de conservação em 2018. As inscrições podem ser feitas até o dia 31 de agosto no site da instituição, com três opções de categorias: Apoio a Programas (para iniciativas em todo o Brasil que demandem mais tempo para aplicação), Biodiversidade no Paraná (para propostas a serem executadas na região paranaense) e Apoio a Projetos (para projetos que contribuam na conservação das áreas úmidas).

Para concorrer em qualquer uma das três categorias, é preciso que as propostas atendam a uma das quatro linhas temáticas de apoio, relacionadas a unidades de conservação (UCs), espécies ameaçadas, ambientes marinhos e políticas públicas (esta específica para “Apoio a Programas”).

Deixe uma resposta